sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Metade do caminho

Tinha um enjoo no meio do caminho. Um enjoo diário e constante, persistente e um pouco menos incapacitante, mas ainda assim irritante e inconveniente.
As últimas semnas foram de muitas emoções: marido viajou por 42 dias e eu fiquei sozinha tomando conta da casa, do Arthur, do bebê e da minha mãe, que veio visitar, mas está doente.
A morfológica do segundo semestre foi feita comigo sozinha na sala, e eu fiquei triste de meu marido não ter estado por perto para partilhar esse momento. Também foi difícil saber que o bebê já chuta com força suficiente para outras pessoas sentirem os movimentos e não ter marido por perto para se emocionar.

No mais, tudo caminhando conforme deve ser: barriga crescendo (tenho a sensação de estar muito maior do que na gravidez do Arthur), bebê se mexendo (ele chuta muito mais a parte de trás do meu corpo do que Arthur fazia, acho que tem a ver com a posição da placenta, que está anterior desta vez), enjoos persistindo (ainda tomo remédios, embora não mais diariamente, e menos ainda de 6 em 6 horas), muito cansaço, alguma azia e, comparado com a gravidez anterior, pouco ganho de peso (até a última consulta tinha ganhado meros 5kg, sendo que na gravidez do Arthur engordei no total 13kg. Ou seja, se continuar nesse ritmo, vou chegar ao fim da gestação com cerca de 10kg de ganho de peso).

Ainda não temos nome. Está difícil de escolher. E Arthur está lidando muito bem com a ideia de ter um irmãozinho, mas muito mal com a ideia de perder a atenção integral de mamãe e papai. Vejamos como vamos caminhar.

(Como este post foi escrito no fim de julho, já podemos rir bem alto da história do peso! hahahaha Óbvio que já ganhei um moooonte de quilos de lá para cá, especialmente com minha tara por chocolate.)

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Começo do segundo trimestre

Semana passada, pela primeira vez, minha gravidez foi notada sem que eu precisasse contar. Fui levar Arthur para o espaço infantil do clube que frequentamos e a moça que o recebeu logo notou minha barriga e perguntou "tem novidade aí, é?". E eu, toda orgulhosa, mostrei a mini pança, contei da data prevista para o parto, dos enjoos e tudo mais.
Hoje estou completando 19 semanas e depois de amanhã faço a ultra morfológica do segundo trimestre. Descobriremos, se o bebê cooperar, se vem outro menino (o que acho que sim) ou uma menina.
Os enjoos não foram embora. Sobretudo a partir do fim da tarde me sinto bastante enjoada, com um mal estar que mistura arrotos constantes, enjoo, sensação de estômago cheio seguida logo a seguir por aquele enjoo característico de estômago vazio. Sinto bastantes fisgadas no pé da barriga e tem uns 3 ou 4 dias que eu tive contrações doloridas (mas foi depois de segurar o xixi enquanto o banheiro estava ocupado). Além do mais, comecei tem uns 2 ou 3 dias com uma novidade nada legal: dores no lado esquerdo do corpo, sobretudo ombro e punho. Suspeito que isso esteja acontecendo por causa dos hormônios da gravidez, mas também porque comecei a sentir falta de ar e, geralmente, só consigo dormir deitada sobre o lado esquerdo.
O bebê hoje teve soluços. A coisa mais lindinha do mundo! <3
E ele ou ela se mexe muito, muito, muito de noite.
No sábado, comecei a frequentar um grupo sobre administração do estresse durante a gravidez. É interessante e estou adorando praticar o espanhol. O grupo é em espanhol. Eu entendo absolutamente tudo que elas falam, mas ainda sofro para falar. Na minha cabeça se misturam o inglês, o espanhol e o francês, e tem horas que eu solto umas frases bem loucas, com todas essas línguas misturadas.
Tenho me sentido muito cansada também. E a rotina aqui em casa está puxada.
Marido viajou e, embora minha mãe esteja aqui, tudo da casa e do Arthur sobra para mim. Minha mãe está doente, então além de cuidar dela, me vejo sem grande ajuda efetiva, já que sua contribuição tem sido brincar com Arthur (isso é realmente ótimo para mim) e lavar a louça. Mas nem posso reclamar. Sem ela, estaria tudo muito mais difícil, porque quando preciso ir ao mercado ou outro lugar, deixo Arthur com ela e resolvo tudo rapidinho na rua.
Ansiosa pela ultra. Animada com esse bebê pulante.
Que as próximas semanas venham suaves e saudáveis.

(esse foi de julho. vamos conseguir sincronizar!)

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

17 semanas

A ideia era fazer um diário detalhado, contando tintim por tintim desta que será minha última gestação.
Mas aí eu passei 3 semanas e pouco de cama, naquele inferno nauseabundo que já descrevi, com direito a segunda consulta com muita emoção.
(Fui levar Arthur na escola e marido encontraria comigo lá, para irmos ao médico juntos. Entreguei a criança e me sentei no banco da recepção. Dali, me rastejei até o banco do parquinho. E de lá não queria sair, porque sabia que não aguentaria mais nenhum esforço. Não me lembro muito bem como cheguei ao uber, nem como consegui entrar na clínica. Uma vez lá dentro, marido foi cuidar da burocracia e eu fiquei deitada nos bancos da recepção, todo mundo me olhando. Quando a assistente de enfermagem me chamou, logo perguntou "você está bem?", ao que respondi "não, acho que vou desmaiar". Fiquei deitada a consulta toda, comendo micro pedacinhos de biscoito de água e sal. Só no fim consegui ficar de pé para me pesar! A médica me passou mais dois remédios além do que já havia prescrito e marcou a consulta de retorno para dali a duas semanas, em vez de quatro.)
Depois que consegui sair da cama, continuei miseravelmente enjoada por muito tempo. E tomando um arsenal de remédios, passava o dia exausta, dormindo, sem conseguir trabalhar. Com isso, tudo meu atrasou. Com isso, minha vida entrou numa loucura sem fim, com marido sobrecarregado no trabalho, em casa e numa casinha de sapê. E eu miserável. E eu sobrevivendo. E eu querendo pedir divórcio todas as manhãs, por causa do cheiro insuportável de café que marido insiste em tomar.
Com isso, se passaram várias semanas e eu não tive tempo ou energia para registrar as coisinhas todas. E cá estou, já com 17 semanas, sentindo chutinhos sobretudo na parte de baixo da barriga (bebê parece que gosta muito do lado direito. Arthur passou a gravidez toda com as costas para o lado esquerdo, mas não me lembro onde eu sentia os chutinhos no começo.), ainda enjoando muuuuuuuito, com uns peitos gigantes, pesados, quentes, já produzindo colostro, com uma barriga inegavelmente grávida e com muitas micro espinhas na cara (todo dia ou a cada 2 dias aparece uma nova).
Já comecei a passar cremes na pança, embora sem muita esperança de milagres (porque por aqui, só milagre mesmo) e ainda não pensei em absolutamente nada do enxoval!
Devo entrar na hidroginástica em breve (se tudo der certo) e no dia 11/7 descubro o sexo do ser que me habita. Já temos quase certo o nome de menina, mas o de menino está uma luta! Queríamos Bernardo, mas na gringa não vai funcionar muito bem. Ainda temos algumas semanas para decidir, então o desespero não é tão grande.
Arthur ainda está curtindo a gravidez, mas acho que agora a coisa tá ganhando forma (no caso, redonda: minha barriga) e ele está vendo que ter um irmão ou uma irmã tem um lado meio chato (por enquanto sou eu, sempre enjoada, cansada, com dores ao caminhar, sem poder correr ou fazer brincadeiras muito brutas). Por isso, às vezes ele parece não estar muito animado, não. A gente vai levando, explicando, mostrando as coisas boas, preparando o que dá para preparar, porque a verdade é que vai ser tudo novo e um tanto imprevisível, já que não conhecemos ainda este bebezinho e vamos precisar de um tempo para nos adaptarmos a ele.
Eu acho que é outro menino e sonho direto com bebês do sexo masculino, mas tem horas que tenho a sensação de que é uma menina.
As diferenças dessa gravidez para a outra não são tão gritantes assim: tive MUITO mais enjoo, minha pele ficou pior e sofri no começo com um intestino preguiçoso, mas fora isso, não tenho notado grandes diferenças, não. Já comecei a sentir as faltas de ar que senti com Arthur e isso é bem desagradável. Elas parecem mais suaves, mas as minhas memórias mais intensas (dois apagões que tive e uma falta de ar que fez a professora de um curso que eu assistia perguntar se eu precisava ir para o hospital no meio da aula) foram mais para a frente, tipo perto das 30 semanas. Vamos ver.
Essa semana troquei de equipe médica porque achei que essa não me atenderia do jeito que eu quero: sem intervenções desnecessárias, mas cuidando de perto das minhas queixas ou demandas. Tomara que a próxima equipe seja boa (eu ainda não fui lá, mas peguei muitas boas referências e estou esperançosa). O bebê nasce aqui, quando estiver pronto ou pronta e vai chegar numa casa mutcho loca, mas cheia de amor. <3

(post escrito em junho, calma que a gente acerta o passo com a gravidez!)

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Diário de um inferno

São seis da manhã. Acordei por força do hábito, mas não quero me levantar. Nesse então momento, tudo é perfeitamente estável e eu não quero estragar a sensação do nada, de não sentir nada, apenas meu coração batendo.
Mas minha boca está seca, porque o aquecedor funcionou a noite inteira, por isso me levanto, bem devagar, tentando me mexer o mínimo possível, e vou até o banheiro encher meu copo com água bem gelada. Bebo. Encho o copo outra vez, mas sei que, apesar de ainda estar com sede, não posso beber mais. Preciso esperar a água ser absorvida, se não dói meu estômago.
Volto para o quarto e o líquido na barriga já pesa no estômago e o gosto em minha boca me deixa enjoada. Coloco debaixo da língua o comprimido anti enjoo. Ele se dissolve em um gosto tenebroso e vou bebericando a água para não enjoar do remédio que me ajudará a não enjoar tanto. Deito na cama. Vem uma vontade grande de arrotar. O arroto tem gosto do remédio e do meu estômago vazio, e tudo isso me deixa enjoada.
Sei que se não comer alguma coisa imediatamente vou piorar a ponto de não conseguir sair da cama. Por isso, me levanto, vou até a cozinha de nariz tapado e pego uma fruta ou um queijo e volto correndo para o quarto.
Como devagar, sentindo cada pedaço pesar três quilos no estômago. Arroto mil vezes. Bebo água porque o gosto da fruta ou do queijo deixa um amargar esquisito na minha boca, e esse amargor me enjoa. A água pesa. A água me enjoa. Nesse momento me dou conta de que tenho nariz e de que o ar entrando pelas narinas faz minha mucosa arder, e isso me deixa enjoada.
Me deito de novo. Arroto. Estou de lado, sobre o lado esquerdo, mas tudo dói, porque devo ter passado a madrugada assim, então me viro, e tudo que está no meu estômago se vira junto comigo. Dói. E também me enjoa sentir esse movimento.  Fico quieta, mas minha barriga não. Ela dói, incomoda, produz muitos gases e gostos. Levanto, bebo água, deito de novo.
Arthur acorda. Sinto cheiro do café sendo feito lá na cozinha e isso me embrulha o estômago de tal modo que eu preciso respirar fundo, me concentrar. Mas respirar fundo faz a mucosa do meu nariz arder, e eu continuo enjoada.
Marido se levanta. Arthur se levanta. Eles fecham a porta e eu tento dormir, porque quando eu durmo não fico enjoada. Pego no sono, apesar da barriga cheia e incômoda. Arthur abre a porta. Quer brincar. O cheiro do café se juntou ao do pão, da panqueca, do iogurte e eu quero morrer. Arthur sai, fecha a porta. Durmo outra vez. Acordo com Arthur me pedindo para ajudá-lo com a roupa. Marido já fez o almoço do pequeno e a casa está gelada, porque todas as janelas foram abertas, todos os ventiladores estão ligados, a porta dos fundos está escancarada, o exaustor está a toda, mas ainda assim o cheiro de comida me golpeia e eu tenho a primeira ânsia do dia. Me concentro. Pego a roupa, ajudo Arthur a se vestir, aproveito para pegar outra coisa para tentar comer. Ultimamente, só me apetecem panqueca, queijo e iogurte. E frutas. Mas não posso só comer fruta, se não me dá azia. E enjoo. Alguém me traz o que eu pedi, porque não consigo chegar na cozinha com seus mil cheiros, aromas e fedores. Como muito devagar. Sinto cada grama de comida cair feito uma tonelada no estômago. Continuo muito enjoada. Geralmente não consigo terminar a panqueca, ou o queijo, ou o iogurte.
Marido leva Arthur para a escola. Eu estou enjoada até mesmo para andar, mas me arrasto até a cama, deito e tento achar um caminho para o sono entre arrotos, dores e enjoos.
O despertador toca às onze. Sim, eu acordo às onze da manhã, porque a noite anterior só terminou na alta madrugada, poucas horas antes das seis da manhã onde começou este post.
Eu estou ciente de que são onze da manhã e estou praticamente de jejum há quase 15 horas. Preciso comer algo. Me levanto, pego uns biscoitos salgados, mastigo sem vontade (detesto cream cracker), engulo com água. Vou até a cozinha já decidida e pego com muito custo a fruta, o queijo ou o que quer que tenha me apetecido. Com muito custo significa: de olhos semicerrados porque ver comidas e lixo me enjoa, de nariz tapado porque são muitos cheiros, correndo, para poder me sentar logo, porque estou fraca, tremendo.
Me sento à mesa, sozinha, cansada, enjoada, sem apetite. Mas preciso comer. Às vezes funciona e eu como o que me propus. Às vezes não dá, fico nauseada no meio do processo e paro, largando a comida na mesa mesmo, porque entrar na cozinha de novo não dá. Não agora, pelo menos.
Se comi, bebo um golinho de água e me sento no escritório, ligo o computador. Se não comi, volto para a cama e tento apagar da lembrança a náusea que a comida me causou. Às vezes durmo de novo, outras vezes fico só deitada, enjoada, sozinha, olhando para a parede.
Cerca de vinte minutos depois que comi sou acometida por uma náusea fortíssima, seguida de um estufamento que me causa muitos arrotos e dores. Costumo ter ânsias. Ficar sentada nessa hora não é uma opção. Volto para a cama, desistindo de trabalhar naquela hora. Ainda faltam duas ou três horas para poder tomar o remédio do enjoo outra vez. Eu estou muito enjoada. E com dor. E desconfortável, sem posição que me traga qualquer alívio. Fico me remexendo e começo a avaliar se vou conseguir ir buscar Arthur. Se não for conseguir, preciso avisar marido a tempo.
Esse desconforto do estufamento piora meu enjoo em 80%. Se eu fosse uma pessoa normal, vomitaria. Mas eu não sou normal, então fico só inutilizada, miserável, até falar causa ânsias.
Se vou buscar Arthur, vou e volto desesperada, com medo de vomitar na rua, com medo de desmaiar na rua. Se não vou buscar, estou tão mal que não consigo me mexer e fico na cama, às vezes consigo chegar no sofá.
Bebo água de novo. Não estou desidratada, mas faço uns três xixis por dia. E olhe lá!
Arthur chega com o pai. Ou eu chego com Arthur. Meu menino está feliz. Está com fome. Está cheio de coisas para contar e mostrar. Ele está querendo brincar, com saudade de casa e da mãe. Junto meus caquinhos, pego algo para ele comer, tem dias que consigo me deitar no chão para brincar de lego ou do que for, tem dias que eu coloco ele na cama comigo, para assistir a um milhão de vídeos.
São quatro da tarde e, apesar do remédio de enjoo, não consegui comer mais que uma panqueca, meio potinho de iogurte e dois pedaços de queijo. Dois copos de água. A essa altura, estou fraca, hipoglicêmica, enjoada e inapetente. Tudo em que penso me dá ânsias. Muitas.
Sobrevivo não sei como até marido chegar ou parar de trabalhar no escritório. Eu também precisava trabalhar, mas hoje não deu. De novo. Eu mal tenho forças para fazer xixi, e no banheiro, fico enjoada com os cheiros dos produtos, com meu cheiro corporal. Mas não consigo ficar de pé o tempo necessário para lavar meu cabelo. Não dá para lavar cabelo em banho de banheira. Adio o banho. Lembro que de manhã eu tentei escovar os dentes, mas a pasta de dentes me deixou tão enojada que nem consegui colocar a escova na boca. Ela ainda está ali na pia, como eu deixei há horas. Pego a escova. Tiro a pasta. O cheiro do sabonete da pia me dá ânsia. Me concentro. Coloco a escova na boca, mas as cerdas e o movimento de vaivém me dão ânsia. Paro. Desisto. É hora do jantar e eu preciso me trancar no quarto outra vez, porque marido vai cozinhar e eu vou morrer com o cheiro. Me fecho. Arthur entra às vezes, e com ele, o cheiro da comida, embora tudo esteja aberto e ligado lá fora do quarto.
Estou enjoada. A coisa vem em ondas. Quando tenho uma trégua peço um biscoito a alguém. Ou um queijo. Como feito uma lesma. Ainda enjoada. Em vinte minutos sei que vai doer o estômago. Mas uma dor diferente, porque aí me dou conta de que passei a tarde com o estômago ardendo por estar vazio. Bebo água. Microgoles.
Está na hora de escovar os dentes do Arthur. Tem dias que consigo. Tem dias que não. Hoje não consegui. Marido escova para mim. Vou ler os livrinhos. Mas para isso, preciso ficar de barriga para cima. Tudo dói. Tudo se movimenta dentro de mim. Fico enjoada demais. Me sento na cama umas cinco vezes para poder arrotar. Arthur finalmente dorme.
Saio da cama dele, me arrasto até a sala. Sento. Tento comer alguma coisa. Nada me apetece, estou com náuseas de fome. Forço. Como. Me sinto melhor, troco três palavras com marido (uma delas é sempre obrigada). Como uma fruta. Estou bem melhor. Deito na cama, pensando em aproveitar esse momento de bem estar para tentar dormir antes que tudo volte com força, porque vai voltar. Me aconchego. Fecho os olhos. Um arroto. Sento. Deito. Outro arroto. Sento. Deito. Uma ânsia. O estômago dilatou. Dói, estufado, e causa um enjoo vertiginoso. Me levanto, tento achar posição confortável. Nenhuma funciona. Ando até a sala. Volto para o quarto. Minha casa me aprisiona. Dá angústia. Passo cerca de quarenta minutos assim, sem conseguir me mexer, mas sem achar uma posição confortável. De repente melhoram as dores, mas volta o enjoo com tudo! Água. Enjoo. Já tomei o remédio, não posso fazer mais nada. Biscoito. Ou queijo. Ou fruta. Às vezes, pensar no que quero comer me provoca ânsia, náusea. Belisco. Tento escovar os dentes, mas não dá de novo. Deito. Levanto. Arroto. Deito. Sento. Enjoo. Já passa de meia-noite. Todo mundo dormiu. Menos eu. Levanto, pego mais um biscoito. Como sem vontade. Tem sorvete, arroz, feijão, verduras, chocolate, cogumelos, até um prato que marido trouxe do restaurante chinês. Mas eu só consigo pensar em biscoito, água e sal, aquele mais bobo, mais insosso. Como. Bebo água. Faço xixi. Deito. Sento. Arroto. Deito. Me viro. As coisas no estômago se reviram, eu enjoo. Tenho ânsia. Levanto, deito, arroto, bebo água. Viro, reviro, enjoo. Olho para o relógio pela última vez às quatro da manhã. Algum milagre acontece e eu durmo, finalmente!
Às seis horas eu abro o olho. Não quero acordar ainda, mas o aquecedor funcionou a noite toda, minha garganta está seca porque só bebo pequenos golinhos de água, eu me levanto...

terça-feira, 14 de agosto de 2018

A sinestesia dos enjoos

Com essa gravidez, descobri que tenho enjoos sinestésicos.
O que é isso, Ártemis?
Ah, um nome que inventei para tentar explicar como tenho me sentido para as pessoas.

Eu sinto enjoo com gostos, cheiros, texturas, imagens e sons.

Oi?
É, isso mesmo!
Alguns gostos, como doces e hortelã (pasta de dentes, balas etc.) me deixam absurdamente enjoada. Até aí, normal. Cheiros também. Não consigo entrar na cozinha, enjoei de cheiro de café e refogados de novo, passo mal com perfumes, bafos, cecês, cheiro de fritura, de carne, de comidas, desodorante, xampu, sabonete, até o cheiro da parte de dentro do meu nariz me enjoa, o que é um problema bem grande, já que não posso simplesmente tirar o nariz, né? Mas apesar da bizarrice, também não é tão anormal assim grávidas enjoarem com cheiros. Mas aí começa a esquisitice nível master. Eu enjoo com texturas. Comer banana é sofrível, porque se tem uma parte mais madurinha, eeeeeca! Escovar os dentes é martírio, porque as cerdas dentro da minha boca causam ânsias terríveis. Fora cabelo que voa e entra na boca. Quase morro! Também não consigo olhar para determinadas comidas, ou coisas, porque a simples visão me causa asco profundo. É o caso da minha geladeira e toda e qualquer carne. Só de escrever já sinto o estômago revirar. Por fim, o que me confere o prêmio esquisitice total para enjoos gravídicos é ficar enjoada com sons. Para isso acontecer eu já preciso estar enjoada antes de o som começar. E aí, o som amplifica o mal estar de tal maneira que eu preciso fugir correndo de onde estou, protegendo orelhas e nariz, numa vã tentativa de melhorar dessa náusea constante e insuportável.

Passei três dias seguidos sem conseguir sair da cama, porque ficar sentada ou de pé me enjoava. Estou há duas semanas sem interagir com minha cozinha (quando fico sozinha em casa e preciso abrir a geladeira, primeiro me concentro, respiro fundo, tampo o nariz e aperto bem os olhos, para ver o mínimo, porque só assim consigo resgatar alguma coisa ali dentro). Não cozinho. Não lavo louça. Não tomo banho todos os dias (só me julguem depois de experimentarem enjoos nesse nível). Aliás, entrar no banheiro é desafiador, porque são tantos cheiros ali dentro!
Ontem fui à padaria e quis morrer. Pior ideia do mundo! Tudo ali dentro cheirava ao mesmo tempo, com muitas fragrâncias diferentes e nem sempre combinando, equilibradas.
Ontem também aconteceu algo engraçado. Arthur chegou na porta do quarto com a boca cheia e me perguntou "mamãe, adivinha o que eu estou comendo?". Não só acertei, deitada na cama (cerca de 1,50m de distância da porta), como ainda emendei um "vai comer isso na sala porque o cheiro está me enjoaaaando!".

Aliás, Arthur acha que eu estou com uma virose, tadinho. Já perguntou se essa coisa pega e se vou vomitar (quando vomitei ele não estava em casa, tinha ido ver um filme na casa de uma amiguinha). Mas na verdade eu acho que ele tá é sacando tudo, porque a brincadeira da vez aqui em casa é com bebês e irmãos. É um tal de "meu irmão" pra cá, "os bebês" para lá. Tá pescando, esse menino. Mas só contaremos depois do exame que substitui a TN.

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

O dia em que vomitei

Os enjoos me pegaram de jeito nessa gravidez.
Com Arthur, eu fiquei enjoada, mas além de ter começado a me sentir mal com mais tempo de gestação (5 semanas), a intensidade dos enjoos era menor. Tanto que eu conseguia trabalhar, conseguia viver, consegui até mesmo esconder a gestação até os 3 meses.
Dessa vez eu fui atropelada pelos enjoos de tal maneira que durante dias não sobrou nada de mim!
Hoje acordei um pouco melhor (enjoo normal, tipo os que eu tinha na gravidez do Arthur) e resolvi vir aqui registrar.

Tudo começou exatamente no dia em que completei 5 semanas. Veio de mansinho, um mal estar que me fez primeiro ser seletiva com comidas. No dia seguinte já tive repulsa pela carne que estava no prato do Arthur. Depois disso foi ladeira abaixo e tudo culminou no dia 6 de abril, quando eu vomitei.
Tinha passado o dia praticamente em jejum e depois de comer umas batatinhas cozidas (única coisa que me apeteceu), tomei a vitamina pré-natal. No dia anterior eu também tinha me sentido miserável depois de tomar a tal vitamina, mas não liguei uma coisa na outra. Até porque eu estava vivendo momentos de enjoo extremo e momentos de enjoo moderado. Então, para mim, fazia parte do quadro geral. Mas a verdade é que não estava me dando bem com a tal vitamina e, no dia 6, depois de engolir o comprimido, deitei para assistir a um filme e relaxar. O enjoo foi crescendo, crescendo, crescendo, até que não aguentei e fui ao banheiro. Foi horrível! Fiquei bastante nervosa e estressada, e depois meu pescoço doía todo. Mas pelo menos o mal estar melhorou e eu consegui beber água e terminar o filme.

Os enjoos estão tão fortes dessa vez que já fui obrigada a contar da gravidez para muitas pessoas, porque simplesmente não consigo viver a vida normalmente. Passo o dia deitada, prostrada, seja enjoada, seja me sentindo fraca porque não comi nada. Não consigo ir a lugares com cheiros (padarias, minha cozinha, meu banheiro) e buscar Arthur na escola tem sido um desafio diário. Fui contar os dias do enjoo. A sensação é que estou sofrendo há semanas, mas a verdade é que acabei de completar uma semana nesse estado. Espero imensamente que eu melhore logo, porque tá puxado.

(texto escrito em 10/4/18)

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Enjoada

Eu acreditei que teria uma gravidez sem enjoos. Não sei por que cismei com isso. Mas parece que os enjoos gostam mesmo de mim.
Tudo começou na quinta semana. Na hora do almoço comi e fiquei enjoada logo a seguir. Com Arthur, os enjoos começaram por volta da mesma época, e também na hora do almoço. Lembro muito bem que uma das primeiras vezes que enjoei estava sentada sozinha no restaurante onde costumava almoçar, ao lado do trabalho. Comi uma garfada da salada e enjoei. Mal conseguia continuar a refeição. Depois disso, foi ladeira abaixo, com muito enjoo diário e constante até cerca de 15 semanas.
Então, nesta gravidez, comecei com os enjoos. Fui jantar em uma pizzaria e assim que entrei no lugar quase tive um treco com aquele cheiro de molho e queijo. Na Páscoa fomos para a casa de uns amigos, celebrar em grande estilo. Dentro do uber comecei a me sentir ultra-mega-super enjoada. Tinha comido antes de sair, para garantir que não me sentiria mal no caminho e nem chegaria desesperada de fome. Na verdade, quando vi a pizza do dia anterior na geladeira, e depois quando senti seu cheiro, fiquei de estômago embrulhado. Depois, não consegui olhar para o pedaço de porco, carne que aprendi a gostar aqui, que estava no prato do Arthur. Marido precisou cortar a carne e servir ao Arthur. Na hora do almoço, marido precisou esquentar o porco depois que eu já tinha feito o prato. E agora, enquanto escrevo isto, fico enjoada só de pensar em todas essas comidas. BLERGH!
Já notei que enjoo com mais força se como doce. Então, meu melhor amigo tem sido o pão de massa azeda da padaria aqui do lado. Delícia salgada e amarga que não me deixa enjoada e me supre com carboidratos.
Vamos ver como a coisa progride. Queria muitíssimo que só ficasse nesse enjoo suave, mas se for como na gravidez do Arthur, está apenas começando.

(como vocês devem ter notado, tô atrasada nas postagens. mas a gente chega lá, tá?)