quinta-feira, 30 de maio de 2013

O sono do vizinho é sempre mais tranquilinho

Eu estava feliz.
Arthur dorme bem. Tem uma rotininha bem estabelecida, indo para a cama entre 19 e 20h, todos os dias, e adormece relativamente fácil. Só dorme no peito. Comigo. Acorda 21h, 23h, 00h, 03h e 05h. Às vezes pula uma acordada dessas, às vezes tem o soninho inicial mais agitado, acordando de hora em hora até meia-noite. Mas eu achava tudo isso digno e bem tranquilo.
Sem contar que ele tira sonecas comigo na parte da manhã ou de tardinha, então eu durmo picadinho, mas durmo.
Daí, hoje, fui passear com pessoas queridas que também têm filho. O bebê é dois meses mais novo que Arthur. Lindo! Fofo! Doce!
Daí, lá pelas 11h os dois começaram a esfregar olhinhos, dar aquela reclamadinha e a pedir colinho. Sono. Eu lasquei Arthur no peito e me levantei para ver se o balancinho ajudava a embalá-lo (ele não precisa desse recurso, mas achei que ali seria válido, já que ele estava excitadíssimo com as novidades todas). Do outro lado, o pai do outro bebê colocou ele no colo, deu umas chacoalhadas e finalizou o moleque. Pá! Dormindo.
E Arthur nada. Queria ver o mundo e as folhas do jardim que balançavam ao vento (♥).
Então o pai do menino ficou cansado de segurá-lo no colo: sentou-se no tapetinho de atividades, estendeu uma manta e pousou o bebê. Que acordou. Abriu os olhos, se remexeu, virou-se e revirou-se e olhou bem onde estava. Daí o pai foi lá, colocou a chupeta na boca do filho, fez um carinho e saiu de perto. O bebê amigo do Arthur se ajeitou, fechou os olhinhos e... DORMIU.
Sozinho.
Vou repetir: dormiu SOZINHO.
Mais uma vez: dormiu sozinho. Fechou os olhos e PLUFT. Capotou.

E Arthur nada.
Sabe como eu me senti depois disso? Feliz.
Ué, e aquele verbo no passado ali no começo?
Estratégia narrativa, confesso.
;-)

Ainda estou feliz porque, depois de pensar um pouquinho sobre a situação, concluí que o sono do Arthur, embora tenha um padrão beeeeem diferente do do amigo, nunca foi uma questão para mim. Então, por que agora deveria passar a ser? Não faz sentido, faz? Então desencanei e fui para casa, ninar Arthur fora do frenesi das novidades e estímulos, e ele dormiu por três horas seguidas, depois, às 19h20 capotou para seu sono revigorante até amanhã de manhã. Já acordou, claro, duas vezes (e são apenas 20h50). Mas tô aqui, blogando, flanando no Facebook, procrastinando o frila que preciso entregar na segunda. Ou seja, tudo lindo!

Daí, como eu estou aqui flanando, com tempo, vida ganha, nada para fazer (cof! cof! cof!), pensei mais um pouco sobre essa questão toda de comparações entre bebês e pessoas.
Senta que lá vem a verborragia!

Nunca gostei de comparar Arthur com ninguém. Acho que sobretudo porque sempre me comparei muito às demais pessoas do mundo, e como sempre fui bastante diferente (quem não é, na verdade?), me sentia muitas vezes "perdedora". Perdedora de uma competição que eu mesma tinha inventado e cujas regras eram criadas por quem? Por quem? Por mim mesma! Pô, que coisa mais dura é criar um jogo em que você só pode perder. E só pode perder porque suas regras sempre são pautadas em duas coisas muito importantes (e também bastante imparciais): 1) aquilo que lhe incomoda; 2) o conhecimento profundo de como você realmente pensa/age/sente. Cara, na boa, olha que bodega! Você se sente incomodada porque tem um defeito. Tipo celulite. Quem aí tem celulite e se incomoda com elas? Ok. Aí você começa a se comparar com outras mulheres, na rua, na fazenda, na Caras, e claro que acaba quase sempre perdendo. Por quê? Porque as outras mulheres ou não se importam (ou fingem não se importar, o que dá no mesmo nesse caso) com os furinhos, ou elas "não têm" (na verdade, elas não mostram porque escolhem bem as roupas, ou não vão à praia de biquíni micro, ou as fotos estão cheias de Photoshop). E aí, você, que conhece seu corpo do avesso, que se incomoda horrores com a porcaria da celulite, perdeu no próprio jogo.
Cruel, né?
Mas quem nunca?
Eu, o tempo todo.
Daí que quando Arthur surgiu na minha vida eu decidi que não seria mais assim, porque eu queria curtir: a vida, minha gravidez, minha família, o nascimento dele, o parto, o puerpério, meu filho, minhas descobertas, nossas alegrias e tristezas, que, afinal, são nossas.
Claro que escorrego de vez em quando. Tipo hoje, com relação ao padrão de sono, ou mesmo em relação ao tamanho/peso dos amigos (Arthur é dois meses mais velho, mas é mais de 1kg mais leve que o amigo, e alguns centímetros menor).
Eu, porém, tento ficar alerta, porque não quero ser injusta com meu filho lindo, tão esperto, tão esperado, tão amado e tão ÚNICO.
E aí, voltando para casa, com marido, filho e pensamentos ao meu redor, percebi que Arthur tem 11 meses e já anda. Mas esse mesmo Arthur tem os mesmos 11 meses e não come direito. E que assim como ele vai ter habilidades e aptidões desenvolvidas e rapidamente conquistadas, também vai ter dificuldades e conquistas mais demoradas. E sabem? Eu vou amar meu filho igualzinho. E vou lutar para fazê-lo feliz do mesmo jeito. Então, mais importante, para mim, do que comparar, é observar: meu filho tem tantas características carismáticas e deliciosas, que fico encantada por ter parido um serzinho delícia como ele é. E tenho certeza de que todas as mães vão concordar comigo, porque se pararmos de parear "feitos" e tamanhos, iremos descobrir pessoinhas tão lindas, pessoinhas em franco desenvolvimento e, mais ainda, pessoinhas em nos permitem entrar também em franco desenvolvimento.
Com isso, desejo um ótimo feriadão para todo mundo. Vão à praia, com ou sem celulite! Curtam seus filhos, acordando a madrugada toda ou com bebês auto-ninantes. Amem! Vivam! Porque só vale a pena de verdade quando nos entregamos profundamente.

(Ih, acordou de novo!)

Um comentário:

  1. Ártemis, sou sua fã, já disse isso? Que coisa mais linda!!
    É difícil mesmo não se comparar eternamente com os outros, tem que ser exercício diário...

    Também quero cuidar muito dessa parte e não deixar que eu ou qualquer pessoa compare meu baby aos outros. Espero conseguir.

    Beijo beijo!!

    ResponderExcluir